Arquivo da Categoria: Terapia Multidimensional

Terapia Multidimensional – O que é

A Terapia Multidimensional abre com a ajuda dos Seres de Luz as portas a novas possibilidades de cura baseadas no chakra do coração – portal multidimensional localizado no centro do peito de cada ser. O princípio orientador desta terapia segue o paradigma da Unidade, do Um Perfeito e Infinito que se vai instalando à medida que a consciência do paciente for despertando a cada sessão. A cura não é algo independente da consciência do paciente mas sim um dos reflexos da mesma. A Terapia Multidimensional abre, com a permissão dada pelo paciente, as portas da Compaixão e do Perdão através das quais, o paciente se liberta pouco a pouco dos problemas que o acometem derivados dos erros passados seus e de outras pessoas que com o próprio se relacionem.

À medida que as sessões vão progredindo, o paciente deverá integrar na sua vida certos aspectos de um modelo de pensamento mais próximo da consciência de Unidade que lhe permitirá aumentar a sua vibração através da capacidade de se amar mais a si mesmo e aos outros, da capacidade de ir compreendendo que alguns dos problemas que surgem na vida são, na realidade, por vezes, desafios escolhidos pela sua própria Alma quando ainda na Luz, antes de reencarnar, para superar, e por consequência, se tornar mais forte, mais luminosa, experiente, compassiva e humilde até se libertar da roda do Samsara e prosseguir para um novo estágio de evolução em que as encarnações físicas passam a ser apenas por vontade própria e não impostas pela necessidade imperiosa de limpar karmas passados.

Na terapia multidimensional, o terapeuta assume-se como um canal dos Seres de Luz e não como o originador da cura em si dado que a mesma é proveniente de Deus (Brahma) e os Seres de Luz atuam como Seus braços.
O livro Autobiografia de um Iogue da autoria de Paramahansa Yogananda ilustra de forma perfeita esse mecanismo de canalização de cura quando um discípulo do grande guru iluminado Lahiri Mahasaya lhe pede que este o cure da sua cegueira. Este episódio conta-se do seguinte modo:

“(…) Ramu aproximou-se timidamente de Lahiri Mahasaya. O discípulo sentia-se envergonhado por pedir que um bem-estar físico viesse juntar-se à sua imensa riqueza espiritual. «Mestre, Aquele que ilumina o Universo está em si. Rogo-lhe que me traga a Sua luz aos meus olhos, para que eu possa perceber o brilho do Sol.»

O Mestre respondeu: «Ramu, alguém arranjou forma de me colocar numa posição difícil. Eu não tenho o poder de curar.» Ramu expressou-se então de outra forma: «O Ser Infinito que existe dentro de si tem certamente esse poder.» Lahiri Mahasaya concordou com a nova formulação: «O que está a dizer agora é diferente, Ramu. De facto, para Deus não existem limites! Aquele que acende as estrelas e as células do corpo com o misterioso esplendor da vida pode certamente trazer o brilho da visão aos seus olhos.»”

Tanto o paciente como o terapeuta multidimensional devem compreender que a cura operada pelos Seres de Luz procede da Fonte, do Deus Pai-Mãe sendo este aspecto bastante vincado nos ensinamentos do Workshop de Terapia Multidimensional aos novos terapeutas multidimensionais. Em qualquer mecanismo de cura espiritual, não é o espírito do terapeuta que cura nem tão pouco o dos Seres de Luz, senão o Deus que habita no paciente, no terapeuta e nos Seres de Luz devendo, portanto, o paciente e o terapeuta renunciar a expectativas em relação aos resultados do tratamento.

Duração da sessão: 1h15m
Valor de troca: 35€

Para efectuar a sua marcação poderá usar o formulário abaixo ou usar um dos nossos meios de contacto.

Marcação de Terapia Multidimensional

  1. (obrigatório)
  2. (email válido obrigatório)
 

Deseja tornar-se Terapeuta Multidimensional e aprender a facilitar sessões a si mesmo(a) e a outras pessoas?

  1. (obrigatório)
  2. (email válido obrigatório)
 

Terapia Multidimensional – Para que serve

A Terapia Multidimensional assume propósitos tão diversos quanto:

  • abertura de caminhos financeiros – abertura de consciência do paciente para fluir uma maior criatividade em relação a novas formas de rendimento
  • limpar “gananciofobia” – termo cunhado por Sua Santidade Paramahamsa Sri Nithyananda para descrever o medo que as pessoas têm de se tornarem gananciosas quando começam a ganhar dinheiro
  • limpar pensamentos de medo de perder dinheiro

    Quando a pessoa tem medo de algo e dá atenção ou foco a esse medo está a usar de forma contra-producente a Lei da Atração que define que tudo aquilo em que pensamos se materializa. Por conseguinte, a pessoa está a atrair para a sua realidade aquilo que teme. Este problema acomete de forma mais frequente pessoas que tiveram uma infância em que a escassez material se fez presente ou cujos pais cultivavam uma mentalidade de escassez ao invés de abundância.
    Em determinadas situações de perda material, estão, por vezes, associados ataques de pânico que são em alguns casos derivados de memórias de vidas passadas em que a escassez material conduzíu, directa ou indirectamente, a um evento traumático para a Alma, por exemplo, a perda da vida, da saúde, da honra ou da dignidade.
    Os Seres de Luz aumentam a consciência da pessoa fazendo com que a mesma passe a ter pensamentos e sentimentos de gratidão e satisfação em relação a ter dinheiro e a ganhar dinheiro incutindo-lhe ideias de ela é um ser criativo, inovador, capaz de empreender suas ideias e de confiar no sucesso delas ao longo do caminho.

  • limpar pensamentos de medo de não sobrevivência

    Novamente, as pessoas com quem o paciente de Terapia Multidimensional vive e convive assumem grande importância quando essas pessoas cultivam uma mentalidade de escassez baseada em premissas tais como “deve-se sempre jogar pelo seguro”, “na vida, não se pode ter tudo”, “quem tudo quer, tudo perde”, “a vida custa caro a todos” ou ainda “a vida é difícil para quem é mole”.

  • limpar memórias de pobreza de vidas passadas
  • limpar votos de pobreza declarados em vidas passadas quando a pessoa pertence a uma ordem monástica
  • limpar pensamentos de associação de oposição entre a Espiritualidade e o plano material substituindo-os por uma consciência superior baseada na complementaridade e na Unidade de “Tudo é Um.  Tudo emana do Um. Matéria e Espírito são Um. Dinheiro é energia divina”.
  • limpar fobia de viajar de avião
  • abrir caminhos na Espiritualidade

    Os Seres de Luz podem aumentar a percepção extra-sensorial do paciente caso este o deseje e se tal lhe for conveniente para a sua Alma de acordo com o caminho escolhido para a presente encarnação.
    De igual forma, a Terapia Multidimensional serve para limpar medo do preconceito de pessoas próximas (marido, esposa, filhos, pais, colegas de trabalho) quando o paciente está a iniciar o seu caminho na Espiritualidade como terapeuta energético ou pretende seguir algum guru para se encontrar e está a enfrentar resistência.

  • limpar ansiedade e insegurança
  • abrir caminhos profissionais

    Os Seres de Luz ao estimular o chakra da terceira visão estarão a contribuir para uma maior criatividade do paciente num negócio que este esteja a empreender ou no seu trabalho por conta de outrém.

  • limpar stress
  • limpar compulsão alimentar para ingerir alimentos prejudiciais à saúde e que podem provocar diabetes e hipertensão. Por vezes, a necessidade de ingerir doces revela uma carência emocional. Nesse caso, os Seres de Luz ao aumentar a consciência da pessoa, dão-lhe a percepção da necessidade de preencher o seu vazio emocional com amor-próprio e gratidão pela vida.
  • pedir o auxílio dos Seres de Luz para intervenção divina em causas judiciais pendentes. Nesse caso, os Seres de Luz sempre actuarão não de acordo com o desejo do paciente mas de acordo com o Plano Maior e a Justiça Divina a qual inclui o saldo não apenas desta vida mas de todas as anteriores interacções de vidas passadas com a pessoa com a qual há um conflito judicial. Terão também em consideração as lições a aprender decorrentes da situação em que a pessoa se encontra. Os Seres de Luz não resolvem situações sem que todas as partes envolvidas tenham aprendido as respectivas lições com que se comprometeram no seu plano de encarnação perante Deus, os seus guias e o Conselho Kármico.
  • ajudar a tomar decisões

    Por exemplo, se deve permanecer num país ou mudar por questões profissionais, amorosas, sociais ou legais, se deve manter-se num relacionamento ou terminá-lo ou ainda se deve manter-se num emprego ou demitir-se, No caso, é o paciente que guarda a resposta dentro de si. Os Seres de Luz apenas a irão aclarar de forma que a pessoa possa tomar a decisão sem se sentir tão culpada dos factores contrários à mesma. Assim sendo, a Terapia Multidimensional ajuda a que a pessoa se responsabilize mais pelas suas decisões por um lado e por outro dá-lhe uma liberdade maior devido ao aumento de consciência com que a pessoa fica após a sessão e a noção de ela está apenas a percorrer um caminho e a experienciar situações evoluindo ao longo das mesmas. Dependendo do seu estado de consciência e não das situações em si mesmas, a pessoa descobre que pode ser feliz.

  • limpeza espiritual da casa

    Os Seres de Luz podem dirigir-se à habitação do paciente, doutrinar os espíritos desencarnados que estiverem na habitação e encaminhá-los para a Luz

  • melhorar aspectos da relação afectiva

    Por vezes, a vida amorosa do paciente torna-se monótona e rotineira e o paciente ou o(a) seu companheiro(a) pode tornar-se pouco afectuoso. Nesse caso, os Seres de Luz relembram à pessoa o poder da gratidão pela relação, pela vida, instigando-a a fazer coisas novas, a enveredar por novos caminhos, fazendo novas descobertas, novas viagens, aparecendo em novos ambientes sociais ou descobrindo novos interesses. Por vezes, o problema não está na relação mas sim na própria falta de paixão pela vida. Em outros casos, pode dar-se também a situação em que o companheiro ou o paciente foram magoados na actual relação ou em em relações passadas e daí resultou um pequeno trauma, uma resistência ao sentir, o medo de voltar a ser magoado(a) de novo.

  • aumentar optimismo e alegria de viver
  • aumentar gratidão pela vida
  • limpar fobias de cães e gatos
  • limpar memórias de vidas passadas que estejam na causa de fobias
  • limpeza espiritual de familiares na medida em que haja autorização da Alma destes
  • harmonizar relacionamento com antigos companheiros
  • resgate do poder pessoal
  • superar sentimentos de culpa
  • limpeza de magias
  • encaminhamento de obsessores
  • ajudar a superar sentimentos de perda de entes queridos

    Por vezes, o sentimento de saudade que fica no peito dos encarnados em relação aos seus entes queridos que fizeram a transição para a dimensão espiritual da vida provoca-lhes a vontade inconsciente de continuarem junto daqueles que amam e que partiram. Essa saudade faz, por vezes, o paciente cair no erro de invocar o nome dos seus falecidos com emoção o que, naturalmente, fará com que eles voltem para junto dele, numa ânsia de os acalmar. Como os desencarnados já não podem fazer nada em relação à sua transição, passam a encostar-se aos seus entes queridos que os invocaram na esperança de os fazer sentir que a vida continua do outro lado do véu e que eles continuam vivos, embora, sem corpo físico, de alguma maneira e ficam relutantes, mesmo quando o guia dos mesmos os aconselha a partirem, em deixar o plano da matéria e transitarem para uma dimensão superior de forma a poderem ser tratados e curados em hospitais ou clínicas do plano espiritual superior e assim, lentamente, irem recuperando aos poucos a sua energia danificada pela densidade corpórea de mais uma encarnação na Terra.
    A aura dos desencarnados é comummente tóxica para a aura dos encarnados quando os primeiros ainda não se limparam nas clínicas do plano espiritual superior da sua energia danificada pela suas doenças, principalmente, aquelas que lhes causaram a morte. Se o desencarnado se encostar no encarnado, isto é, passar a obsidiá-lo, este último pode começar a sentir o cheiro frequente do seu ente querido, começar a revelar os mesmos traços de personalidade, os mesmos interesses, o mesmo jeito de andar, de mover o corpo, as mesmas expressões de rosto e até os mesmos sintomas das suas doenças e dos seus vícios.
    Por tudo isso, a melhor atitude a ter em relação ao seu ente querido desencarnado é a gratidão pelos momentos que passaram juntos e lições que aprenderem enquanto permanecem firmes na certeza de sempre foram, são e serão Um numa perspectiva de um estado de consciência de Unidade e que a separação, na realidade, é uma ilusão criada pelo estado de consciência da Dualidade. Assim sendo, os Seres de Luz, no âmbito da Terapia Multidimensional, ajudam a que o sentimento de gratidão substitua o sentimento de revolta contra Deus (já que não é Deus que escolhe a altura do desencarne de uma Alma mas sim a própria Alma, através do seu Livre Arbítrio, antes mesmo do seu nascimento num novo corpo) ou, ainda, o sentimento de revolta contra o próprio ente querido como no caso em que o paciente considera que o desencarne foi uma atitude de egoísmo e abandono por parte do seu ente querido em relação ao primeiro.

  • limpar preocupações com os outros quando essas preocupações impedem o paciente de se realizar como ser humano e de cumprir o seu plano de encarnação
  • aumentar a consciência sobre os sonhos – alguns sonhos trazem mensagens bastante importantes do plano espiritual que encerram a solução de determinados problemas que o paciente está a atravessar
  • abrir caminhos amorosos
  • limpar sentimentos de frustração substituindo-os por sentimentos de gratidão e aceitação
  • ajudar a superar a “noite escura da alma”

    Por vezes, o paciente está num verdadeiro impasse na sua vida. Está numa situação em que já não quer a situação em que está, isto é, não se identifica mais com a sua actual relação amorosa ou profissão, mas, ainda não sabe qual a relação amorosa ou profissão que o faria sentir-se completo. Este é um período de grande desenvolvimento espiritual em que o paciente tem a noção de que a sua vida está perfeitamente parada, analisando num nível superficial, embora, na realidade, num nível mais profundo do seu ser, ao nível da Alma, esteja  a ser preparada uma enorme mudança, uma grande transformação. A Terapia Multidimensional ajuda o paciente a aceitar melhor a transformação que está a ocorrer na sua vida dando-lhe maior aceitação em relação à sua necessidade de tempo para entender o seu novo Eu em construção.

Duração da sessão: 1h15m
Valor de troca: 35€

Para efectuar a sua marcação poderá usar o formulário abaixo ou usar um dos nossos meios de contacto.

Marcação de Terapia Multidimensional

  1. (obrigatório)
  2. (email válido obrigatório)
 

Terapia Multidimensional – Efeitos

A Terapia Multidimensional tem diversos e poderosos efeitos na vida de uma pessoa.
Um dos efeitos consiste em limpar situações de vidas passadas que estão a causar ataques de pânico e ansiedade na encarnação actual e que são geralmente derivados de situações traumáticas que o paciente experienciou e que traz para esta vida sob a forma de memórias celulares.

A Terapia Multidimensional permite limpar raivas recentes ou antigas em relação a algumas pessoas que fazem parte da vida actual do paciente, nomeadamente, pais, companheiros, chefes, subordinados entre outros operando os Seres de Luz uma limpeza do corpo emocional do paciente. Algumas feridas podem ser despoletadas em determinadas alturas da vida da pessoa seja porque ocorreu uma perda de um relacionamento ou ente querido nesta vida actual e que a pessoa não aceita que coincide com o aparecimento das emoções de raiva ou, pode eventualmente decorrer de um evento sucedido numa vida passada na idade que a pessoa tinha quando essas raivas começaram a manifestar-se nesta encarnação.

Relacionamentos kármicos

A Terapia Multidimensional permite a dissolução de laços kármicos que prendem o paciente a situações dolorosas de relacionamentos com pessoas que não lhe são benéficas libertando-o através da tomada de consciência, do Perdão e da Compaixão. A Chama Violeta actua fortemente nesta terapia para promover a transmutação da negatividade adquirida de interacções pregressas em consciência e amor. Actuam, muitas vezes, nesse sentido Mestre Saint Germain (choan do 7º raio), Arcanjo Zadkiel (Arcanjo do 7º raio) e Kwan Yin (deusa da Compaixão).

Fortalecimento de auto-confiança

A Terapia Multidimensional, também chamada de Cura pelo Coração, permite de igual forma limpar situações de ansiedade, medos, inseguranças, preocupações em relação a diversos aspectos do quotidiano da vida do paciente de forma a aumentar a sua auto-confiança, o seu sentido de humor, o seu optimismo, limpando as expectativas que o paciente tem em relação a si próprio (ansiedade da performance) de forma a entrar em estado de flow de forma mais frequente na realização de diversas actividades profissionais e pessoais.

Normalmente, após uma sessão de Terapia Multidimensional, o paciente relata sentir nos dias após um estado de paz que substitui um estado anterior de angústia e preocupação com o futuro. Por vezes, a emoção de angústia tende a fixar-se na zona do coração provocando a sensação de coração apertado, nervosismo e dificuldade de respirar. Não raras vezes, o paciente sente um alívio desses sintomas emocionais e físicos bem como um aumento do seu quociente de luz (grau de consciência) em relação à situação que o atormentava e passa a conseguir pensar de uma forma mais confiante e optimista em relação ao seu futuro e com maior aceitação em relação ao seu passado e presente dado que como disse o grande médium brasileiro Chico Xavier  “Ninguém pode voltar atrás e fazer um novo começo. Mas qualquer um pode recomeçar e fazer um novo fim”.

Os testemunhos da Terapia Multidimensional atestam efeitos significativos na redução do stress, aumento da auto-estima e desenvolvimento de uma postura mais positiva na vida bem como uma maior resiliência perante os problemas.

Casos de Terapia Multidimensional

A Terapia Multidimensional consiste numa das mais poderosas e flexíveis terapias energéticas disponíveis atualmente. Esta terapia é realizada pelos Seres de Luz de Sirius e de Orion em conjunto com os Mestres Ascensos, com os Arcanjos, Anjos e Querubins.

Pode ser usada para tratar quadro de ansiedade generalizada ou em situações específicas tais como medo de conduzir já que permite, por exemplo, a dissolução de traumas de acidentes de viação tidos na infância, adolescência ou idade adulta. A Terapia Multidimensional é usada também para tratar ataques de pânico os quais se caracterizam por dificuldade súbita em respirar, batimento cardíaco acelerado e sensação de morte iminente.

É usada para trazer mais equilíbrio a pessoas diagnosticadas com bipolaridade nunca dispensando no entanto, como evidente, a manutenção de consultas regulares com um especialista adequado ao caso clínico, por exemplo, um psiquiatra, caso seja necessário.

Limpar medos irracionais tais como o medo de que alguém próximo (um filho, mãe, companheiro(a) ou outro familiar) vá falecer brevemente embora esse alguém não tenha comportamentos que o indiciem nem esteja num estado que tal desfecho venha a suceder com relativa brevidade (menos de um ano, por exemplo).

Limpar relações kármicas com companheiro(a) – situações em que terminaram uma ou mais vezes mas sempre voltam a estar juntos até resolverem o karma pendente, isto é, tomarem consciência de algo. Devemos lembrar que o karma não consiste em castigo divino mas sim em Lei da Acção/Reacção em funcionamento e que não é o sofrimento que resolve o karma mas sim a aprendizagem das Leis Divinas.

A Terapia Multidimensional permite também a rescisão de pactos realizados em vidas passadas com entidades de frequência umbralina em troca de poder, dinheiro e sexo entre outros. Na Luz, jamais se fazem pactos seja com que entidade, energia ou consciência for. Na Luz, não existe qualquer obrigação de cultuar seja que entidade ou divindade for em troca do que quer que seja. Em contrapartida, a famosa frase “Pede e receberás” aplica-se não à satisfação dos desejos do ego humano mas sim à satisfação das aspirações da Alma desde que em linha com as Leis Divinas e a sua evolução espiritual.

A Terapia Multidimensional serve, de igual modo, o propósito de limpar sentimentos de culpa em relação a situações passadas que em nada contribuem para que a pessoa se torne melhor mas que apenas lhe baixa a frequência de vibração dificultando o seu reencontro com o Divino. A culpa foi durante séculos usada como um instrumento ao serviço de poder por religiões e seitas para controlarem o ser humano internamente à revelia de conhecerem ou não que essa era uma frequência que baixava a sua vibração conduzindo-os a vidas plenas de baixa auto-estima, desligados do seu poder divino e autoridade pessoal. A Terapia Multidimensional vem com os Seres de Luz resgatar o seu lugar divino.

Marcação de sessão de Terapia Multidimensional

  1. (obrigatório)
  2. (email válido obrigatório)
 

Mestre Saint Germain e a Chama Violeta

A Terra está a ascender. Essa ascensão está a ser conduzida através de processos internos de transformação de consciência dos seres humanos sendo que nesses processos estão envolvidas diversas energias e seres que nos auxiliam na nossa caminhada.

Mestre Saint Germain

Mestre Saint Germain

Mestre Saint Germain

Mestre Saint Germain é o regente da Era de Aquário e chohan do 7º raio – o raio violeta. O raio raio violeta representa a Liberdade do Perdão. A última encarnação do Mestre foi como Conde de Saint Germain, no século XVIII em França. É Saint Germain quem, durante o curso de Terapia Multidimensional, faz a iniciação à chama violeta. Saint Germain apareceu em 1930 a Guy Ballard (um Engenheiro de Minas americano), no sopé do monte Shasta na Califórnia. A partir dessa data, foi fundado por este e sua esposa, Edna Ballard, o movimento “I AM” cujo propósito era o de divulgar os ensinamentos de Saint Germain e dos restantes Mestres Ascensos.
Algumas das encarnações terrenas  de Saint Germain foram:

  • Alto Sacerdote do Templo da Chama Violeta na Atlântida (há 13.000 anos atrás)
  • Profeta Samuel (em 1050 a.C), ungíu David como Rei de Israel e libertou o povo do domínio dos Filisteus
  • Produs (410 a.C), filósofo grego
  • José, pai de Jesus
  • Santo Albano (séc. III d.C), mártir da Igreja Católica
  • Mago Merlin (séc. V d.C), o grande alquimista e conselheiro que ajudou o Rei Artur a conseguir a unificação de Inglaterra
  • Roger Bacon (séc. XIII), filósofo, monge, profeta, cientista e alquimista
  • Cristóvão Colombo (séc. XV), descobridor da América
  • Francis Bacon (Londres, 22 de janeiro de 1561 — Londres, 9 de abril de 1626), ensaísta, filósofo, cientista, diplomata e político
  • Conde de Saint Germain

A Chama Violeta

A Chama Violeta consiste numa dádiva de Deus para a Humanidade numa época muito especial para o planeta – a época da Ascensão. Ela foi-nos trazida através das mãos do mestre ascenso Saint Germain e permite transmutar os pensamentos e emoções negativas em pensamentos e emoções positivas. O Espírito Santo actua através da Chama Violeta trazendo o alívio do sofrimento físico, emocional e mental. Pode ser usada para o Perdão. No entanto, convém salientar que quando a mesma é invocada, a sua acção e resultado é deixado nas mãos de Deus, e a nossa negatividade é eliminada na medida do nosso merecimento e intenção de transformação do nosso ser, das nossas atitudes, modo de pensar e agir para algo melhor.

A Chama Violeta é uma extraordinária ferramenta de cura e ascensão para qualquer trabalhador da luz (terapeutas holísticos, por exemplo). Após a Iniciação à Chama Violeta que é fornecida por Saint Germain durante o curso de Terapia Multidimensional é como se nos tornássemos sacerdotes e sacerdotisas da Chama Violeta e, de cada vez que a usamos, estamos já a realizar cura bastante profunda e a prestar serviço à Luz bem como a auxiliar a ascensão do planeta.

A forma como a usamos é extremamente simples. Basta visualizar, mentalmente, uma situação de conflito entre duas ou mais partes, incluindo-nos a nós ou não, e visualizarmos a imagem na nossa mente a ser envolvida por chamas de cor violeta partindo do nosso coração. Pode ser usada, por exemplo, para dirimir conflitos numa relação conjugal e ajudar ao Perdão de ambas as partes.

A Chama Violeta resulta da união do rosa, o qual simboliza o amor divino com o azul, o qual simboliza o poder divino. Ao usarmos a Chama Violeta, toda e qualquer negatividade é transmutada em amor e luz sendo que esta verdadeira benção divina está disponível a qualquer momento, em qualquer circunstância.

Um dos exercícios que são realizados com a Chama Violeta durante os workshops de Terapia Multidimensional após a Iniciação à Chama Violeta consistem em escolher 3 pessoas que sejam muito importantes na vida dos futuros terapeutas multidimensionais e com as quais existam situações de conflito. De seguida, é solicitado aos alunos que se visualizem a abraçar cada uma dessas pessoas e a verem-se ambos envolvidos  com as chamas de cor violeta a irromperem de dentro do seu coração, transmutando toda a energia negativa em Paz, Amor e Luz, como se ambos estivessem dentro de uma fogueira cujo fogo é purificador. Com o Perdão, os laços kármicos que unem as pessoas em histórias que, por vezes, se arrastam há muitas vidas, são finalmente cortados e a pessoa passa a viver com uma Liberdade muito maior e pode começar a amar o outro de uma forma mais livre, não mais refém do karma que inicialmente as colocou no caminho uma da outra.

A Chama Violeta está ligada à Misericórdia Divina e à Compaixão.

Limpeza de Magias

Uma das funções dos Seres de Luz no âmbito da Terapia Multidimensional consiste na limpeza de magias e reposição do equilíbrio energético do paciente.

A magia consiste na manipulação de energias subtis actuadas pela vontade do executante (vulgarmente designado de mago) recorrendo ou não a elementos materiais para intensificar o poder da mente da pessoa que age negativamente sobre outrém. As vítimas mais frequentes de magia são médiuns bem como pessoas com alguma sensibilidade às energias.
A magia pode ser feita não apenas a uma pessoa mas à relação dela com outras pessoas o que desencadeia discussões entre namorados, marido e mulher, pais e filhos ou outras pessoas com as quais se tem normalmente uma relação muito próxima. O objectivo nesses casos é causar conflitos nas relações e fazer com que as pessoas se separem umas das outras.

Normalmente, no caso de magia feita para separar um casal, é a companheira que primeiro detecta a influência sobrenatural pois é ela que está mais atenta à relação e ao comportamento do companheiro em tudo aquilo que ele faz e à dinâmica do casal. A mulher tem uma natureza mais observadora, analítica e atenta à personalidade dos outros enquanto que o homem tem uma natureza mais racional e de acção. É normal que os casais discutam por vezes, faz parte da vida e até, de certa forma, pode ser saudável para a relação. No entanto, quando o companheiro ou companheira passam a assumir, de uma forma repentina, um comportamento e atitudes nocivas para a relação e completamente dissonantes daquilo que era o seu padrão de personalidade, por exemplo, namorar 12 anos com uma pessoa e, de repente, durante 2 semanas, discutir intensamente por coisas que durante anos nunca atribuíu qualquer importância e querer terminar a relação sem que durante semanas ou meses antes se fizesse supor qualquer sinal de que isso iria acontecer, tal situação deve ser cuidadosamente analisada bem como outras condicionantes para averiguar se se trata de algo normal que acontece (é normal que as relações cheguem ao fim seja por desgaste, porque apareceu outra pessoa na vida de um dos companheiros, companheira engravidou sem que companheiro estivesse preparado para assumir a responsabilidade de pai, etc). Nos casos em que está envolvida magia, o companheiro(a) revela uma personalidade muito diferente daquela que se conhecia antes, revela muita negatividade, irritabilidade e até os seus próprios hábitos podem mudar.

A companheira pode suspeitar que a relação está sob efeito de magia quando algum médium ou tarólogo lhe disse ou a própria se apercebe com os sinais com que se vai deparando. Quando a magia foi feita para a relação, os Seres de Luz podem actuar no âmbito da Terapia Multidimensional. Quando a magia foi feita ao companheiro(a), é necessário que o próprio expresse a sua vontade e autorização para que a mesma seja desmanchada. O que acontece bastantes vezes é que a magia é feita para o companheiro, o companheiro é céptico (não acredita na existência de espíritos nem magias) e, por conseguinte, não solicita ou autoriza a sessão de Terapia Multidimensional. Nesses casos, não se realiza a sessão.

Sintomas da magia sobre a pessoa

Algumas pessoas sob o efeito de magia têm pesadelos recorrentes com seres, objectos (caixões, sepulturas e túmulos) e animais tradicionalmente associados ao mal tal como as serpentes. Por vezes, sonham consigo próprios com os olhos trespassados por dois objectos longos, cílindricos e pontiagudos ou vêem-se recorrentemente a cometer suicídio das mais variadas formas (enforcamento, asfixia, afogamento, tiro na cabeça, uma queda de uma grande altura entre outras).
A magia pode atuar sobre os corpos subtis e o coropo físico da pessoa debilitando a sua saúde física e energética.

Geralmente, a pessoa começa a sentir que algo de muito sobrenatural se está a passar na vida dela, facto especialmente saliente quando ela não tem historial clínico de doenças mentais ou qualquer factor externo (perdas de um ente querido, de uma relação, de um posto de trabalho, de dinheiro, etc) que pudesse ter desencadeado uma série de eventos que ela está a vivenciar. Por exemplo, sempre a uma determinada hora sente dores numa parte do corpo, ouve sons de pessoas caminhando em sua casa mesmo quando está sozinha, os electrodomésticos avariam todos em um curto espaço de tempo (1 dia, por exemplo) sem que perceba qualquer anomalia na rede de distribuição de energia eléctrica (um curto-circuito, por exemplo), sofre vários acidentes em um curto espaço de tempo, começa a sentir-se muito mal (uma dor de cabeça intensa) quando está perto de determinada pessoa ou quando está num dado local, vê vultos, de repente sente-se deprimida e extremamente triste sem que tenha havido um factor suficiente para sentir uma intensidade de tristeza tão grande, de repente passa a ter pensamentos de suicídio sem que no passado tenha tido qualquer historial a esse nível, as pessoas com as quais normalmente lidava passam a demonstrar aversão, ódio e antipatia chegando, em alguns casos, os próprios animais a demonstrarem o mesmo comportamento agressivo quando antes lhe eram dóceis, etc.

Para a magia atuar sobre a vida de uma pessoa, não basta apenas um mago querer. É necessário mais do que isso. É necessária uma autorização de parte inconsciente da “vítima” para que a magia a possa afetar. Estados de saúde física ou mental debilitados também contribuem para que a negatividade enviada pela magia (que pode incluir espíritos das trevas contratados) tenha um maior efeito sobre a “vítima”, devendo, por conseguinte, o paciente procurar encontrar uma atitude positiva na sua vida, sentimentos de amor, gratidão e perdão para compensar. O paciente deve também tomar um banho de descarrego que inclua espada de São Jorge, Guiné, Arruda, Alecrim e Alfazema por 3 dias consecutivos pedindo a Arcanjo Miguel com fé que limpe toda a magia e encaminhe todos os espíritos negativos que estão a afetar a sua vida para o seu local de origem, destino e merecimento de acordo com a Lei Divina.

A Terapia Multidimensional pode minimizar os efeitos negativos de uma magia ou até, eventualmente, eliminá-la não havendo, no entanto, garantia de sucesso devendo, por conseguinte, o cliente seguir a sua intuição. Em caso de urgência espiritual, deverá procurar um centro espírita ou um médium especializado nesse tipo de trabalho que excede as competências de um terapeuta multidimensional.

Para efectuar a sua marcação poderá usar o formulário abaixo ou usar um dos nossos meios de contacto.

Marcação de consulta de Terapia Multidimensional

Modo: Presencial (em Lisboa) ou à distância
Duração da sessão: 1 hora
Valor de troca: 35€

  1. (obrigatório)
  2. (email válido obrigatório)
 

Síndrome de baixa auto-estima

A forma como nos vemos a nós mesmos influencia em grande medida a forma como fazemos as coisas e, consequentemente, os resultados que obtemos. A auto-estima influencia de forma decisiva na área amorosa e profissional. Se a imagem que temos de nós mesmos é negativa, entram em acção diversos mecanismos de auto-sabotagem, muitas vezes ao fazer as coisas mais simples. Os Seres de Luz no âmbito da Terapia Multidimensional, uma das mais eficazes na cura dos sintomas de baixa auto-estima, influenciam energeticamente o corpo mental da pessoa, sede das crenças negativas sobre si própria, de forma à pessoa sentir-se automaticamente melhor consigo mesma, se amar a si própria e se considerar digna de ser amada pelos outros.

Vantagens da Terapia Multidimensional em relação a outras terapias

Reiki: O Reiki é uma terapia energética formidável no tratamento da depressão aliada a baixa auto-estima mas é necessário um número muito mais elevado de sessões para tratar baixa auto-estima do que as cerca de 5 sessões necessárias de Terapia Multidimensional sendo que, em alguns casos, esse número é ainda menor.

Meditação: A Meditação é muito eficaz para colmatar problemas de baixa auto-estima já que dá energia à pessoa, acalma a mente (passa a produzir menos “filmes”) e aproxima-a do seu verdadeiro centro – o espírito. No entanto, apesar de eficaz, tem um problema: demora muito. Pode demorar meses até que haja uma melhoria de fundo significativa. Neste sentido, a Terapia Multidimensional é bem mais rápida a actuar. Os Seres de Luz sabem exatamente onde estão as raízes do problema da pessoa e ao incidirem a sua acção directamente sobre os seus corpos subtis, conseguem que a pessoa tome consciência e se liberte.

Psicologia Clínica: Com uma abordagem mais tradicional do antigo problema de baixa auto-estima, poderiam passar-se até várias dezenas de sessões ao longo de meses sem que a pessoa sentisse melhorias, quer por inaptidão do psicólogo, quer por o cliente não estar a comunicar tudo o que era necessário para a sua cura. Imensas vezes, o que acaba por acontecer é o cliente usar a sua consulta somente para se expressar com alguém que é profissionalmente treinado para ouvir. Os meses vão-se passando sem que o problema fique efectivamente resolvido ou sequer tenham conseguido em conjunto – psicólogo e cliente – chegar à verdadeira raíz do problema dado que este, apesar de comum nos consultórios de Psicologia Clínica, é um assunto extremamente complexo que poderá demorar meses ou anos a resolver usando uma abordagem tradicional.

Com a Terapia Multidimensional, o problema é eficazmente resolvido de uma forma completamente revolucionária face ao antigo paradigma. Em Terapia Multidimensional, cada sessão dura uma hora e é realizada pelos Seres de Luz, actuando directamente sobre o corpo mental e emocional do cliente, consultando os registos akáshicos para aceder às suas vidas passadas se necessário, encaminhando obsessores para a luz e reequilibrando todos os chakras e toda a energia da pessoa ao mesmo tempo que vão fazendo com que ela tome consciência daquilo que está a ser libertada quer em sonhos, quer em eventos no exterior após a terapia quer em visões enquanto está deitada horizontalmente na marquesa.

Características da pessoa com baixa auto-estima

  • Prioriza os seus defeitos em detrimento das suas qualidades
  • Tem uma enorme necessidade de agradar aos outros
  • Sente que não é deste mundo experimentando frequentemente sentimentos de alienação e total inadequação ao meio social envolvente
  • Está sempre a comparar-se com os outros, quer ao nível consciente, quer a um nível já enraizadamente subconsciente
  • Perfeccionista, exige demasiado de si própria
  • Culpa-se em demasia designando de “falhas” as suas tentativas mal sucedidas de aprender algo novo
  • Confusão mental entre seguir um de vários caminhos possíveis
  • Indecisão ou lentidão a tomar decisões tanto nas coisas mais banais do dia-a-dia (por exemplo,  escolher um de vários bolos numa pastelaria) como nas mais importantes (iniciar uma relação amorosa com pessoa A ou pessoa B, seleccionar o curso certo de faculdade, etc)
  • Senso de identidade mal definida chegando, em casos mais graves, a atingir a esfera da sexualidade (dúvidas sobre a sua orientação sexual, incapacidade de sentir prazer sexual ou de dar prazer ao outro numa relação, etc)
  • Sofre de apatia sentimental não conseguindo sentir verdadeiro amor por si própria e pelos outros embora lhes tente agradar em troca de aprovação
  • Diálogo mental incessante. Esta pessoa não consegue calar os pensamentos, na sua maioria negativos, sobre si própria
  • Não possui paz interna. Esta pessoa está constantemente com um burburinho mental de fundo a debitar negatividade sobre si própria, a avaliar e a julgar os outros e a si mesma, especialmente, em locais públicos
  • Sofre de vampirismo energético
  • Insegurança. Dado a pessoa de baixa auto-estima se auto-avaliar como sendo uma pessoa com pouco valor próprio ela torna-se ansiosa, vulnerável, frágil e susceptível. Consequentemente, cria mentalmente a ideia de um mundo que a pode atacar a qualquer momento e que, em caso de ataque, ela se vai sentir vulnerável e não terá a capacidade de se defender a si ou àqueles que ama.
  • Está constantemente a criar “filmes” mentalmente estando muito pouco tempo no momento presente. Os “filmes” que cria são projecções de uma realidade mais apetecível que aquela em que se encontra (a pessoa de baixa auto-estima tem dificuldades em aceitar a realidade como ela é) quando está parada, em modo de descontração embora, em acção e modo real, tenda a projectar mentalmente “filmes” negativos em que se vê a si própria a falhar de alguma maneira ou algo a correr mal. A Meditação é o melhor remédio para acalmar a mente e recuperar o seu bem-estar interior.

Vampirismo energético

A pessoa com baixa auto-estima suga, de forma inconsciente e contra a sua vontade, a energia das outras pessoas. Fá-lo de várias formas sem se dar conta, nomeadamente, falar uma hora seguida ou mais sobre si própria de uma forma negativa e auto-depreciativa não dando oportunidade à outra parte de também comunicar e se expressar.

Em alguns casos, quando alimentada pela outra pessoa que a ouve (que lhe cede a sua energia dando-lhe atenção), a pessoa de baixa auto-estima sente-se cada vez mais forte enquanto que a outra parte que a escuta se vai sentindo cada vez mais exaurida de energia. Neste caso, a pessoa de baixa auto-estima executa o papel de receptor mas há casos em que acontece o oposto.

Vejamos: o ego segue o princípio da inércia. Se o ego tem uma identidade associada à baixa auto-estima, vai querer continuar com essa identidade. A pessoa com baixa auto-estima tem a tendência de se rodear também de pessoas que sugam a sua energia, ou seja, aqui a pessoa de baixa auto-estima vai actuar como dador. Ela tende a rodear-se de pessoas cujo tema de conversa principal são os seus próprios dramas pessoais e seus problemas bem como pessoas narcisistas.

O papel da Terapia de Leitura de Aura como forma de elevar a auto-estima

A Terapia de Leitura de Aura permite o auto-conhecimento e a limpeza energética dos padrões comportamentais gravados na energia da pessoa. O auto-conhecimento ajuda a pessoa a compreender-se melhor, a aceitar os seus comportamentos actuais e do passado com base numa abordagem psico-espiritual.

Com a Leitura de Aura a pessoa deixa de culpar o mundo e a si própria, substituindo a noção de culpa pela noção de responsabilidade pela sua vida e pelos seus resultados. Com as razões devidamente integradas pelo consulente, ele passa a encontrar-se apto para reassumir a sua responsabilidade pessoal e o seu papel de criador e autor da sua própria história de vida. Ele readquire o seu poder pessoal, exactamente um dos ingredientes chave em falta nas pessoas com reduzida auto-estima.

A Leitura de Aura permite saber as potencialidades e os dons de cada pessoa, informação extremamente útil para a pessoa de baixa auto-estima que tem tendência a classificar os seus desafios como defeitos (quando na realidade, se tratam de remissões kármicas escolhidas voluntariamente pela própria alma antes de encarnar) bem como a não atribuir suficiente atenção às suas qualidades.

Auto-estima elevada após 5 sessões de Terapia Multidimensional

  1. Capacidade de ser feliz
  2. Aumento significativo do bem-estar interior
  3. Amar-se quando olhar para o espelho
  4. Olhar para os outros de uma maneira completamente nova, sentindo amor naturalmente por toda a gente, pelos animais, pelas plantas e pelo mundo em geral
  5. Capacidade de ser assertivo com as pessoas sem ficar a culpar-se depois por ter dito um “não” a alguém (a Terapia de Leitura de Aura tem potencial para o mesmo efeito)
  6. A produtividade no trabalho aumenta dado que a pessoa passa a fazer aquilo que gosta e não aquilo a que se sente obrigada num trabalho com o qual, muitas vezes, nem se identifica (neste caso, os Seres de Luz podem transformar a energia da pessoa de forma a que deixe de atrair o trabalho que a mantem insatisfeita e passe a atrair o trabalho que realmente deseja e se identifica)

Com a Terapia Multidimensional aprende a dizer não’s de qualidade

A pessoa com baixa auto-estima é incapaz de dizer um “não” de qualidade. No plano amoroso, no caso das mulheres, ao serem abordadas num bar ou em qualquer situação social que possibilite a abordagem, rejeitam muitas vezes, de uma forma “atabalhoada”, sem classe e savoir faire a oportunidade que se apresenta originando ressentimentos desnecessários a ambos os lados. Ao aproximar-se o homem e dado que a mulher é um ser bastante sensível e intuitivo por natureza, ela apercebe-se da sua intenção, minutos ou segundos antes. Desde o momento em que percepciona o homem a dirigir-se a ela até que ele lhe dirige efectivamente a palavra (como um simples “Olá!”), a ansiedade toma conta do corpo dela e milhares de sinais de alerta (tanto mais desconfortáveis quanto mais baixa for a sua auto-estima) disparam no corpo dela o que contribui para o aumento da probabilidade de o rejeitar quer tivesse ou não vontade consciente de o fazer por qualquer motivo. A tensão sobe devido ao facto de a mulher não gostar de si própria, considerar que não é merecedora daquela abordagem, que não é um ser digno de ser amado embora, em alguns casos, se tenha auto-convencido (apenas ao nível consciente e não subconsciente) do contrário e que o homem que a aborda, dado ela se auto-considerar “má”, terá necessariamente de ser “mau”, caso contrário, nem sequer a escolheria (crença inconsciente da Lei da Atração – “os semelhantes atraem-se”).

No caso dos homens com baixa auto-estima, na maior parte dos casos, a abordagem nem sequer chega a ocorrer dado o mecanismo de ataque-fuga entrar em acção minutos antes.

Voltando ao exemplo da rejeição feminina, a mulher com elevada auto-estima é capaz de rejeitar o homem, de uma forma suave, discreta e respeitosa mantendo, no entanto, a assertividade da resposta, destituída da carga emocional que ocorre na mulher de baixa auto-estima, sentindo-se bem com ela própria e não originando quer culpa por parte dela, quer ressentimento por parte do homem que é rejeitado.

A influência da baixa auto-estima no plano profissional

Hoje em dia, há elevada pressão no emprego para o aumento da produtividade e para um processo de melhoria constante da organização em que, por vezes, o colaborador é deixado de lado no que concerne ao seu bem-estar.

O trabalho, por vezes, vai-se acumulando, aumentando a pressão interna no indivíduo para que ele seja resolvido o mais rapidamente possível. Com o aumento da pressão, exercida pelos superiores hierárquicos em busca de bónus e cumprimento de objetivos e pelos clientes em busca do melhor pelo menor tempo possível, o cansaço do colaborador vai aumentando até chegar a um ponto em que a sua produtividade começa a declinar, exatamente no período em que era mais necessário que fosse elevada para a organização.

Perante este cenário, um colaborador assertivo e com elevada auto-estima, dirige-se ao seu superior hierárquico e informa-o de que não tem capacidade para “dar conta do recado” e de que é necessário tomar medidas (eventualmente, adjudicar mais colaboradores à sua equipa, priorizar tarefas, negociar um prazo mais alargado com o cliente entre outras). O colaborador com auto-estima elevada mantém um foco no momento presente, avalia melhor os acontecimentos e as suas capacidades e a constatação das suas incapacidades, no momento presente, perante os outros, para responder a uma situação desafiante não o faz sentir-se diminuído. É precisamente essa atitude assertiva que o vai salvar das consequências de um incumprimento de compromisso como acontece com a pessoa de baixa auto-estima.

Já um colaborador com reduzida auto-estima tentará cumprir a todo o custo todas as tarefas que lhe foram atribuídas chegando até a aceitar mais ainda e a acumular algumas dos seus colegas. Para as cumprir, pode ter de trabalhar muito mais horas do que definia o seu contrato de trabalho chegando até a desvincular-se das suas horas de sono necessárias, do seu bem-estar e da presença dos familiares e amigos em prol do trabalho. Com o tempo, o cansaço vai-se acumulando provocando doenças que acabam por se somatizar.

Internamente, o colaborador com baixa auto-estima experimenta uma série de estados de desânimo que o vão desintegrando aos poucos como ser humano. Inicialmente, dada a sua natureza perfecionista, vai aceitando o trabalho que lhe vão atribuindo ainda que vá ficando fora da sua capacidade. É um ser que procura agradar  a tudo e a todos e não suporta “falhar” timings e compromissos ainda que os mesmos sejam irrealistas para as suas capacidades de facto. O colaborador com baixa auto-estima, acaba assim, por vezes, por fabricar, sem se aperceber de forma consciente, as atitudes que o irão auto-sabotar e cujas consequências irão continuar a alimentar um ego negativo com emoções de baixa vibração energetica (pena de si próprio entre outras), alimentos estes que este ego tanto necessita para sobreviver (ver adiante mecanismos de auto-sabotagem).

Quando finalmente acaba por falhar os timings e compromissos, este tipo de pessoa escolhe a frustração como reacção e começa a sentir-se desiludida em relação a si própria, a colocar-se a si própria em causa, a colocar em causa o seu trabalho e rapidamente generaliza para colocar em causa toda a sua história de vida até aquele ponto incluindo, por vezes, até as suas relações familiares e afectivas.

Para lá das eventuais críticas dos superiores hierárquicos e colegas a reforçarem a falha do compromisso para com as expectativas, a pessoa de baixa auto-estima tende a considerá-las como justas e mais do que adequadas, num sentido de auto-punição em vez de sentido de observação, passando a experimentar  sentimentos de que não é digna da confiança dos outros para assumir compromissos, que não se pode esperar muito dela, que não se pode confiar nela e que ela “falhou”. Esse sentimento pode evoluir até que ela própria se considere uma “falha” e se estenda às outras áreas da sua vida. Isso acaba por gerar um dos piores inimigos de uma auto-estima saudável – a culpa.

À medida que esses eventos se vão repetindo, trazendo sentimentos desagradáveis, vão-se acumulando  na memória junto com sentimentos de incapacidade, uma auto-confiança que vai definhando e uma crença interna de que a pessoa não é capaz de cumprir prazos e de fazer as coisas bem. Instalada e reforçada a crença, inicia-se um ciclo de auto-crítica e um quadro mental feito de auto-avaliações negativas.

A relação entre o ego e a auto-estima

A relação do ego com a auto-estima segue o princípio da Inércia (resistência que um corpo oferece à alteração do seu estado de repouso ou de movimento). Um ego com elevada auto-estima alimenta-se de pensamentos e emoções positivos sobre si próprio e tende, inconscientemente, a rodear-se de pessoas  e situações que vão apoiar a continuação desse estado positivo entrando em fricção com pessoas e situações que não estejam de acordo com esse estado. Já o ego com baixa auto-estima alimenta-se de pensamentos e emoções negativos a respeito de si próprio e tem tendência a procurar sempre o tipo de pessoas e situações que fazem a pessoa sentir-se mal ou que a prejudicam.

O ego quer apenas uma coisa – sobreviver. E para sobreviver, é vital o alimento. Se a pessoa tem um ego com uma auto-imagem construída em cima de crenças negativas sobre si própria, procura o alimento correspondente – pensamentos, sentimentos e emoções negativas. Se não encontrar esse alimento, o ego arrisca-se a desaparecer e isso ele não pode suportar de forma alguma. Por essa razão, ele procurará como se lutasse pela própria vida (na realidade, é isso mesmo) as situações que o permitem manter-se tal como está ou até crescer embora negativamente. Assim surgem as pessoas que mesmo sabendo, a priori, que determinada decisão vai atrair ou manter uma pessoa ou situação negativa, embora não o desejando conscientemente, acabam por tomar essa decisão prejudicial, sofrendo as consequências depois. Esse mecanismo de auto-sabotagem sadomasoquista é propriedade de um ego negativo.

Dessa forma, a tomada de consciência proporcionada pela Terapia de Leitura de Aura torna-se um instrumento fundamental para identificar esse padrão e o romper.

Mecanismos de auto-sabotagem frequentes da pessoa com baixa auto-estima

A pessoa com baixa auto-estima usa toda a sorte de justificações internas:

  • Mascara, eufemisticamente, a sua constante auto-crítica e insatisfação pessoal afirmando que se trata de um mecanismo de auto-aperfeiçoamento e de melhoria constante
  • Caracteriza a sua baixa auto-estima como sendo “humildade”
  • No trabalho, aceita mais tarefas e mais complexas do que aquelas para as quais tem capacidade, justificando que a organização e os colegas necessitam dela e do seu esforço adicional (que é constante mas frequentemente visto pela própria como insuficiente). Geralmente, a pessoa justifica que se trata apenas de uma fase passageira de sobrecarga de trabalho na organização e que logo irá terminar embora essas fases passageiras sejam normalmente bastante frequentes no caso particular da pessoa com baixa auto-estima. Ela normalmente argumenta, quando confrontada com o seu ritmo  doentio de trabalho, estar a defender o valor da responsabilidade e do profissionalismo para negar o seu estado psicológico, a necessidade de se ajudar (ou de ser ajudada) e assim o perpetuar.

Diferença entre baixa auto-estima e humildade

Não existe qualquer correlação entre baixa auto-estima e verdadeira humildade. São coisas completamente diferentes. A pessoa humilde não se coloca a si mesma acima de ninguém, não busca ostentar títulos académicos e/ou profissionais (embora os possua em alguns casos) e não procura destacar-se pela imagem, forma como se veste, pelo que possui materialmente (casa, carro), pela família, pelas suas amizades, pelas suas relações afectivas, pelos seus grupos sociais, pelo seu estilo de vida e pelo seu contexto social.

A pessoa humilde pode eventualmente possuir tudo isso como pode não possuir. O elevado valor que atribui a si própria, intrinsecamente, como ser humano consciente e fiel aos seus valores bem como o elevado valor que atribui aos outros sem nunca esse valor ser superior ou inferior ao seu, faz com que a pessoa humilde não seja influenciada por todas essas condicionantes externas como acontece no caso da pessoa de baixa auto-estima que necessita de manter tudo isso quando já possui e que desespera quando ainda não possui.

Nesse sentido, a pessoa humilde é equânime e o valor que atribui intrinsecamente a si (e aos outros) é mais do que suficiente para poder dispensar todas essas coisas e continuar com um sentimento interno de prosperidade e de grande valor.

Cura de baixa auto-estima

A Terapia Multidimensional participa activamente da cura da síndrome de baixa auto-estima e é considerada uma terapia bastante eficaz na resolução deste tipo de problemas já que na sessão é realizada a harmonização e limpeza completa do nosso corpo emocional e corpo mental nos quais se localiza a raíz dos pensamentos e emoções negativas que constituem a auto-imagem deturpada que a pessoa tem de si própria quando padece deste problema.

Alguns dos sintomas incluem:

  • sentimento de inadequação ao mundo, às pessoas e à própria realidade;
  • insegurança e incapacidade de fazer valer os seus direitos perante os outros;
  • confusão recorrente entre fazer uma coisa e fazer outra (evidenciada até nas tarefas mais simples como virar à esquerda num cruzamento ou à direita);
  • necessidade constante de agradar aos outros;
  • perfeccionismo exacerbado que é frequentemente justificado pela pessoa como sendo uma característica de desejo de evolução pessoal mas que esconde a constante insatisfação com os resultados obtidos ainda que sejam considerados excelentes; Enquanto uma pessoa com elevada auto-estima, pode ter genuinamente o desejo de evolução pessoal e profissional, aceita os resultados, ainda que considerados insatisfatórios, no momento presente, e vê-se a si própria capaz de fazer melhor porque se acha competente, a pessoa com reduzida auto-estima, não aceita nunca os resultados, ainda que considerados excelentes, escolhe sentimentos de inferioridade punindo-se por aquilo que ainda não tem ao invés de se congratular por aquilo que já conseguíu;

Para efectuar a sua marcação poderá usar o formulário abaixo ou usar um dos nossos meios de contacto.

Marcação de consulta de Terapia Multidimensional

Modo: Presencial (em Lisboa) ou à distância
Duração da sessão: 1 hora
Valor de troca: 30€
Oferta: 1 sessão de Cirurgia Psíquica (se marcar de 1 a 5 de Novembro’13)

  1. (obrigatório)
  2. (email válido obrigatório)
 

Cura de bloqueios amorosos

A Terapia Multidimensional pode ser usada para curar de uma forma realmente eficaz bloqueios ao nível amoroso que estão a impedir a pessoa de experienciar um relacionamento verdadeiro, harmonioso e satisfatório quer ela se encontre numa situação precária em termos amorosos (como numa amizade colorida) quer ela não se encontre sequer em qualquer relacionamento (namoro ou casamento) que implique amor, respeito, exclusividade, confiança e fidelidade.

Amizades coloridas

As amizades coloridas são um tipo de relacionamento cada vez mais comum nos dias de hoje. Uma amizade colorida consiste num tipo de relacionamento em que duas pessoas que não se amam o suficiente para estar num relacionamento amoroso (namoro ou casamento) suprem as necessidades de carinho, afecto, companhia e sexuais da outra. Caracteriza-se por ser um tipo de relacionamento situado entre o amor e a amizade e sucede com uma maior frequência a partir dos 35 anos aumentando a sua prevalência com a idade.

São um género de relacionamento mais liberal bastante frequente e socialmente cada vez mais aceite. Ocorre mais comummente com pessoas separadas ou divorciadas com filhos embora também possa ocorrer com solteiros de mais tenra idade ou viúvos. As causas que estão na escolha deste tipo de relacionamento são diversas:

  • medo de solidão (usa o companheiro(a) para lhe fazer companhia)
  • pressão social (amigos e colegas de trabalho) e familiar (pais e irmãos) para estar num relacionamento ainda que não esteja apaixonada(o) pelo(a) companheiro(a)
  • suprimento de necessidade sexual
  • carência afectiva ou emocional
  • medo de intimidade (embora nem sempre tenha receio de intimidade sexual ao mostrar o seu corpo para o outro, tem receio de mostrar algo muito mais interno e protegido – os seus sentimentos, os seus medos, as suas fragilidades e inseguranças, os seus bloqueios, a sensação de “vazio interno no peito” ou “um buraco no coração”)

Nem todos os relacionamentos de amizade colorida são percepcionados da mesma forma por ambos os companheiros. Por vezes, a pessoa simula para o(a) companheiro(a) que o ama como se estivesse num relacionamento amoroso tradicional (namoro ou casamento) chegando a mascarar a verdade perante si própria, tentando auto-persuadir-se, para não se sentir culpada ou sentir que está a enganar o outro que ela sente que a ama mas que a própria pessoa não lhe consegue corresponder o sentimento enviado. Este comportamento, repressor da verdade da pessoa, conduz a diversos problemas chegando a somatizar-se sob a forma de doenças.

Os graus de verdade numa relação deste tipo variam bastante:

  1. Ambos os companheiros sabem, aceitam e declaram ao outro que não se amam verdadeiramente, que não estão apaixonados pelo outro, mas concordam em satisfazer as necessidades emocionais, afectivas, sociais, familiares e sexuais do outro perante a sociedade como se de um relacionamento tradicional (namoro, casamento) se tratasse como forma de evoluírem juntos e aprenderem mais um com o outro, no âmbito de uma relação, do que aprenderiam sozinhos ao longo da vida
  2. Um dos companheiros ama o outro mas o outro não lhe consegue corresponder o sentimento. Nesse caso, ambos podem acordar em ficar juntos numa amizade colorida. O problema surge quando o companheiro que não ama, incapaz de assumir a verdade, tenta simular amor perante o outro. Essa atitude de falta de verdade na sua vida enfraquece-o perante si próprio, perante a sua consciência, baixando-lhe a auto-estima e auto-condenando-o a vagar num relacionamento amoroso sem sentido.

Conheça os diversos testemunhos da Terapia Multidimensional!

Para efectuar a sua marcação poderá usar o formulário abaixo ou usar um dos nossos meios de contacto.

Marcação de consulta de Terapia Multidimensional

Modo: Presencial (em Lisboa) ou à distância
Duração da sessão: 1 hora
Valor de troca: 35€

  1. (obrigatório)
  2. (email válido obrigatório)
 

Bloqueios na vida amorosa

Uma das várias soluções que a Terapia Multidimensional oferece com a ajuda dos Seres de Luz concerne à cura da vida amorosa de uma pessoa.

Dado que a vida amorosa é fonte principal de felicidade e bem-estar para a pessoa quando “as coisas correm bem” também pode ser exactamente a causa de uma profunda tristeza e sentido de fraco valor como companheira(o) amorosa(o) de alguém, sentido esse que é evidentemente falso dado que cada ser humano tem um valor inestimável.

De registar que todo o trabalho dos Seres de Luz, realizado em várias dimensões, é feito sempre de acordo com a vontade de Deus e para o bem supremo das almas de todos os envolvidos.

A Terapia Multidimensional ao serviço da cura de relações amorosas existentes

As causas de uma vida amorosa insatisfatória radicam, por vezes, em situações como:

  • companheira(o) vive com companheiro(a) por 10, 15 ou 20 anos tendo sido feliz com ele(a) (amado e sentido amor) apenas durante os primeiros 2 anos de relação. No entanto, sente-se incapaz de terminar a relação por piedade dele(a), gratidão a ele(a) por tudo o que de bom ele(a) lhe trouxe (dinheiro, estabilidade emocional, conforto material ou filhos) ou medo da solidão;
  • após o nascimento do primeiro e restantes filhos da relação, o companheiro desinteressa-se da companheira dizendo-lhe frequentemente que “ela já não lhe dá atenção” e sente, em alguns casos, por mais difícil que seja de admitir, uma certa inveja da atenção dada aos filhos;
  • companheira abandona o companheiro apesar de este se considerar “exemplar” (bom provedor financeiro, trabalhador, pai extremoso, marido dedicado que se lembra, de vez em quando, de criar um programa romântico a dois de forma a investir na relação, coopera nas tarefas domésticas, dá-lhe liberdade para ela sair com as amigas e se divertir sozinha, etc);
  • suspeita constante de que o(a) companheiro(a) tem uma vida dupla (uma outra família), suspeita essa frequentemente negada pelo(a) companheiro(a);
  • a pessoa (solteira, separada, casada ou divorciada) descobre que está apaixonada por alguém (que não o(a) seu próprio companheiro(a)) pela qual sente uma atração irresistível, eventualmente decorrente de uma vida passada em comunhão que o espírito decide reatar para resolver questões kármicas mas não pode vivenciar de momento essa relação dado que a pessoa pela qual nutre esse sentimento já se encontra numa relação. Por vezes, a pessoa sente-se culpada já que não pretende interferir na relação amorosa do(a) seu(sua) amado(a) ou causar-lhe qualquer transtorno afectivo. Em outras vezes, a pessoa sente que o(a) companheiro(a) dessa pessoa já não o ama verdadeiramente pretendendo manter a relação por interesse financeiro ou, simplesmente, por habituação;
  • companheiro perde a atração pela companheira tendendo a dedicar-se mais tempo ao trabalho e justificando a distanciação, frequentemente notada pela companheira, como sendo necessário mais dinheiro para comprarem mais coisas ou fazerem uma viagem a dois ou levar a família toda;
  • companheira não sente satisfação sexual com o companheiro, situação resultante de, em muitos casos, simplesmente, já não o amar;
  • companheiro/a considera que a companheira/o se desinteressou dele/a após um ano de relação,  negligenciou a relação, passou a preferir a companhia das/os amigas/os ou “o/a tomou como garantido/a”;
  • companheiro(a) não compreende, a partir de certo momento, uma mudança mais ou menos rápida de comportamento da(o) companheira(o);
  • companheira(o) decidíu casar ainda muito cedo (com menos de 26 anos) para fugir a uma vida familiar conturbada em casa dos pais;
  • companheiro(a) decide, por motivos financeiros ou profissionais, mudar de cidade ou de país, deixando para trás a(o) companheira(o) se esta(e) não o(a) quiser apoiar nesta sua decisão e continuar a demonstrar que o amor que sente por ele(a) é mais importante que tudo o resto;
  • companheira notou que companheiro ficou com traumas psicológicos após um treino militar intenso, participação em determinados ritos espirituais ou um acidente de viação e está “diferente”;
  • companheiro(a) fez (ou mandou fazer) uma amarração para prender a(o) companheira(o);

A Terapia Multidimensional ao serviço da criação de novas relações amorosas

Terapia Multidimensional não se limita a curar as feridas da relação que já existe. A Terapia Multidimensional tem sido usada também para criar uma nova relação. No entanto, de vez em quando, há impedimentos das mais variadas ordens, que esta terapia pode ajudar a desbloquear. A consulta de Terapia Multidimensional é usada para curar e não tanto para diagnosticar sendo, por conseguinte, mais indicada para pessoas que querem ver alterações positivas na sua vida amorosa ao invés de enveredarem por um caminho de 7 ou 8 anos de psicanálise com centenas ou milhares de folhas escritas sobre a vida da pessoa em que, na prática, pouco resultado tem além de, como frequentemente acontece, o cliente se ter tornado amigo pessoal do profissional de psicoterapia, após umas centenas de horas passadas na sua companhia.

Algumas das causas que se escondem por detrás da inexistência de uma relação amorosa embora, comummente, o paciente, em alguns casos, afirme, superficialmente, estar satisfeito com a sua situação actual (uma leitura e análise mais profunda da energia da pessoa permite ver que a mesma se encontra em modo de resistência e com um ego que se quer manter na sua zona de conforto):

  • baixa auto-estima (não recebeu amor suficiente na infância por parte de um dos progenitores ou de ambos, suicídio de um dos progenitores, um dos progenitores optava pela energia da crítica de tudo aquilo que não aprovava no filho ou na filha)
  • abuso sexual (em termos físicos e/ou psicológicos) por parte de familiares (pai, avô, tio, irmão, padrasto, etc), conhecidos de um dos progenitores, colegas de escola, liceu, secundário, faculdade, etc;
  • forte desejo de aprovação por um progenitor, mais frequentemente, do pai;
  • bullying escolar e/ou profissional;
  • não confiar no sexo oposto em virtude do pai ter traído a mãe, generalizar o comportamento masculino a partir desse evento e passar a esperar esse comportamento por parte dos homens o que impede a mulher de iniciar uma relação amorosa duradoura com alguém por medo de sofrer;
  • a mulher ou o homem não inicia um relacionamento amoroso por atribuir demasiada importância a um defeito físico decorrente de uma causa genética ou de um acidente; Frequentemente, essa mulher ou esse homem, dizem que querem encontrar alguém que os aceite como eles são embora nem eles próprios o fazem consigo mesmos; Como o exterior é um espelho perfeito do interior, escusado será dizer que não o vão conseguir, a médio ou longo prazo, enquanto o interior deles não mudar.
  • medo de demonstrar os sentimentos e sentir-se vulnerável em seguida;
  • condicionamento para esconder os seus sentimentos e necessidades amorosas/sexuais e a vê-los como fragilidades;
  • não se acha um ser humano digno e merecedor de receber amor;
  • o pai ou a mãe usaram de demasiada violência física para “educarem” o(a) filho(a) o que faz com que o(a) filho(a) procurem um(a) companheiro(a) com as características semelhantes ao seu progenitor de sexo oposto ao seu, dado o condicionamento do ego a associar amor a violência;
  • um ou ambos os progenitores foram “ausentes” apesar de fisicamente presentes, variadas vezes devido aos progenitores dos mesmos (avós), terem sido também eles bastante ausentes na educação dos filhos (futuros pais) ou, pelo contrário, presentes mas de um ponto de vista negativo (agressão física/psicológica como forma de educar);
  • abandono por parte de um ou ambos os progenitores;
  • trauma de abandono na primeira infância, decorrente não de uma situação real de abandono, mas de, simplesmente, o pai ou a mãe se ter ausentado durante uns minutos, horas ou dias, sem ter explicado convenientemente à filha(o) que iria voltar para a(o) buscar; esse tipo de traumas pode ocorrer simplesmente quando a mãe ou o pai estão às compras num grande supermercado e deixam o filho de 4 anos sozinho num corredor do supermercado (dos lacticínios, por exemplo) para irem rapidamente à zona dos congelados e quando voltam o filho de 4 anos está a chorar como se fosse um bebé abandonado… Um evento desse tipo, dado que a mente da criança ainda não se encontra devidamente configurada para entender, pode criar uma crença no seu subconsciente (“a minha mãe abandonou-me num corredor de supermercado quando eu tinha 4 anos, tentei alcançá-la mas as pernas dela eram maiores e ela fugíu de mim mais depressa para que eu não a apanhasse… Provavelmente, ela abandonou-me porque ela não gosta de mim. Se ela, a minha própria mãe, não gosta de mim, é porque não sou um ser digno de amor.”)
  • ter ouvido já enquanto espírito encarnado no futuro ser que viria a nascer (vida intra-uterina) que não era desejado, que traria muitas complicações ao nível financeiro e social aos pais, que queriam uma menina em vez de um menino ou o oposto, etc;
  • a pessoa socializa facilmente com os outros mas quando os assuntos tocam a área amorosa, a pessoa tem tendência a retrair-se numa situação de um eventual envolvimento com alguém (frequentemente, retrai-se quando um potencial pretendente atravessa a linha do social para o amoroso).

Causas espirituais de bloqueios amorosos

Por vezes, os bloqueios que impedem a pessoa de ser feliz nesta área tão importante para o ser humano têm causas espirituais, as quais, infelizmente, por ignorância ou preconceito dos psicoterapeutas ou dos próprios pacientes, são colocadas como últimas a serem analisadas devido ao cepticismo que grassa na sociedade ocidental, jactante do seu desenvolvimento tecnológico e científico mas extremamente imatura e imprevidente no que à Espiritualidade diz respeito.

Por vezes, torna-se necessário que o ego sofra por uns 10 anos consecutivos ou mais na área amorosa, tenha tentado todos os métodos de psicologia existentes usando inclusivé técnicas como as afirmações dos defensores do pensamento positivo, hipnose e auto-hipnose, PNL (Programação Neuro-Linguística), TLT (Time Line Therapy), EFT (Emotional Freedom Technique), Fast EFT (Fast Emotional Freedom Technique), Método Sedona após as técnicas mais tradicionais terem falhado (aproximação via círculo social, mudança de atitude, demonstração de valor pessoal, social, financeiro entre outras) até que uma solução espiritual seja finalmente considerada e o orgulho, o preconceito, o cepticismo, a descrença e o medo (que, pelo menos, é indicativo que a pessoa acredita em algo mais) sejam finalmente colocados de lado e a pessoa se possa curar.

No entanto, quando a pessoa finalmente se mostra aberta o suficiente para explorar a espiritualidade da sua vida, o sofrimento terá já contribuído para algo extremamente positivo – a abertura da pessoa. Ainda que essa pessoa apareça para uma sessão de Terapia Multidimensional com 89 anos e, ela própria, considere que já é demasiado tarde, essa sessão já terá valido a pena e, a mesma, terá já contribuído para a elevação do seu espírito, o qual, quando regressar na próxima reencarnação ao plano físico, já estará mais maduro e certamente com uma tendência mais aberta à Espiritualidade e não deverá demorar tanto tempo para resolver os seus problemas como demorou na encarnação ou encarnações anteriores.

Algumas das causas espirituais poderão ser:

  • resgate kármico (podem aparecer os detalhes numa sessão de Terapia de Leitura de Aura) – a pessoa está a cumprir com um ensinamento que a alma pretende adquirir; Por exemplo, a pessoa pode ter feito  com que outra pessoa não fosse nunca feliz no amor, numa vida passada. Pode ter-se obrigado a si própria, por ego, a não trabalhar o amor durante uma vida inteira e, na vida actual, vê-se numa situação idêntica (consequências repetem-se na vida actual mas a causa está numa vida passada) mas cuja causa já não se lembra de forma consciente dado que foi uma escolha consciente sua do passado;
  • presença de obsessores no campo energético da pessoa;
  • votos de fidelidade para com um companheiro que entretanto faleceu mas que, não obstante, se mantêm perenes;
  • votos de castidade (muito frequentes em pessoas que, em vidas passadas, pertenceram a ordens religiosas que os impunham);
  • magia realizada por alguém contra a pessoa;
  • caminhos amorosos cortados;

Para efectuar a sua marcação poderá usar o formulário abaixo ou usar um dos nossos meios de contacto.

Marcação de consulta de Terapia Multidimensional

Modo: Presencial (em Lisboa) ou à distância
Duração da sessão: 1 hora
Valor de troca: 35€

  1. (obrigatório)
  2. (email válido obrigatório)